Relacionamento x Vida amorosa.

Vamos supor que sua mulher está melancólica há meses e você já não agüenta mais esta situação, passa a vê-la sempre triste e desanimada. E a...

Vamos supor que sua mulher está melancólica há meses e você já não agüenta mais esta situação, passa a vê-la sempre triste e desanimada. E aos poucos, dia após dia, você se contagia com este desânimo, afinal, não é nada fácil ver aqueles que amamos melancólicos e entristecidos.

Em certo dia você passa pequenos momentos de extrema descontração e alegria em seu trabalho, no elevador do prédio ou em qualquer outro lugar com uma pessoa do sexo oposto, que por sinal é uma mulher linda e agradável. Pronto. Este passa a ser seu novo objeto de desejo. Não por ela, mas pelo o que esta pessoa veio a significar a você neste contexto de vida afetiva. E tão logo você se permite a viver esta aventura.

Sem perceber, projeta-se nesta nova mulher ímpar e radiante tudo aquilo que no momento você não tem. Logo, você não está se relacionando com esta mulher. Você não a conhece, não sabe seus defeitos, preferências, medos e até mesmo seu sobrenome. Sabe apenas que seu humor e sua inteligência o convém e o agrada infinitamente.

Esta projeção é natural da condição humana, não é à toa que tantas  pessoas com  vida amorosa “agitada” se divorciam. Entretanto com cautela e uma pitada de reflexão podemos perceber que esta busca poderá vir a ser infinita: “será que ele/ela é a pessoa certa para mim?” Antes de buscar esta resposta na aventura e na ousadia é necessário buscar uma resposta dentro de si com a pergunta: “o que eu quero para mim?”

Quero ser um adepto ao poliamor -  movimento que surgiu na década de 80 nos Estados Unidos, consiste no consentimento de relações simultâneas entre os envolvidos, e estas relações se mantém de modo duradouro, enfatizando a amizade e o companheirismo, e não somente ou necessariamente ao sexo em si mesmo. -; quero ser promíscuo – ter relações sexuais com quem bem entender a hora que tiver vontade e amar livremente. -; quero ser adepto à monogamia e escolher um parceiro fixo e único, etc.

Enfim buscar as resposta em si e refletir sobre seu próprio contexto pode evitar inúmeros desconfortos, ou esclarecer desconfortos e fazê-lo ir a busca da própria realização de modo consciente. Encontrar estas certezas em si mesmo é a melhor forma para buscar a felicidade.  

Postagens relacionadas

O Cotidiano 692059322066159293

Postar um comentário

emo-but-icon

Encontre-me no Facebook

Divulgue nossos textos

Últimos artigos

Psicóloga Carla Ribeiro. Imagens de tema por Jason Morrow. Tecnologia do Blogger.

+Lidos

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Endereço e contato

Consultório de Psicologia em Santos
Av.: Conselheiro Nébias, 444 - conj. 1709
Encruzilhada, Santos/SP
CEP 11045-000
Telefone: (13) 3301-9055

Total de visualizações

item