Violência sexual na infância

Pensar na violência contra crianças e adolescentes é algo incômodo por gerar um verdadeiro mix de sensações de impotência, raiva e sofrim...

Pensar na violência contra crianças e adolescentes é algo incômodo por gerar um verdadeiro mix de sensações de impotência, raiva e sofrimento, contudo deixar o tema de lado e ignorar a realidade não é possível.

De todas as violências, a violência sexual é especialmente prejudicial por ferir profundamente aspectos afetivos; de integridade física  e  mental; prejudica  a  auto-imagem; instaura um limite sensível em situações e relações ligadas a sensação e a lembrança do prazer e o desprazer.

Estima-se que 165 crianças e adolescentes sofram abuso sexual por dia, segunda a WCF- BRASIL e que 80 % dos adolescentes que cometem esta infração foram abusados (Schelb,2008).

Há indicadores que podem apontar e supor situações de abuso sexual, indicadores físicos e indicadores psicológicos. É importante ressaltar esta relação de indicadores descrita a seguir são indícios e que nada substitui a comprovação através da avaliação de profissionais, psicólogos e médicos+IML para a constatação do fato.

Alguns dos indicadores psicológicos são: comportamento demasiadamente submisso; expressão da situação de abuso em brincadeira de modo persistente, inadequado e exagerado consigo ou com os pares; incapacidade de concentração na escola e queda repentina no desempenho escolar; manifestação constante de sustos e medos; ambivalência de amor e ódio; vergonha; desamparo;impotência; choro constante; irritação, dentre outros comportamentos.

Alguns dos indicadores físicos são: lesão(ões) na genitália e/ou ânus; D.S.T.; gravidez;infecções urinárias; secreções vaginais; infecções de garganta, crônica e não ligada a resfriados, dentre outros.

Para Azevedo e Guerra (1999) abuso sexual é todo jogo e ato sexual, de caráter heterossexual ou homossexual entre adulto e uma criança ou adolescente na intenção de obter estimulação sexual sobre este adulto ou outrem; situação que inclui o exibicionismo, sexo oral, manipulação, o ato sexual em si seja ele vaginal ou anal sob a circunstância de estupro, sedução ou/para pornografia.

A violência sexual pode ser intrafamiliar (praticada por membro familiar ou pessoa que desfrute do convívio familiar) ou extrafamiliar (praticada por um desconhecido da vítima). A violência sexual pode não envolver o contato físico, como por exemplo o abuso verbal, o exibicionismo ou o voyerismo. Em uma segunda possibilidade pode envolver o contato físico, requer: carícias, coito ou sua tentativa,manipulação de genitais, sexo oral e vaginal. Em uma terceira possibilidade pode envolver a violência como o coito com brutalização, estupro e assassinato.

Estudos comprovam que a maior parte dos abusos ocorrem dentro de casa e da família. E se assim for é comum se instaurar o segredo no núcleo familiar entre agressor e vítima, o objetivo é manter a ocorrência do abuso mediante manipulação e ameaças agressivas. O agressor convence, muitas vezes, a vítima de que ninguém irá acreditar no seu relato.

A família, por sua vez, independente de haver ou não um agressor, constitui a referência simbólica  fundamental da criança/adolescente, pois organiza e ordena a percepção, como um grande filtro através do qual se inicia a atribuição de significados para o mundo. A família apresenta a referência de afetividade, do espaço reservado, da necessidade de intimidade, de proteção, de cuidados, de socialização, os quais não estão à venda em nossa sociedade capitalista.

Há órgãos que atuam na proteção de crianças e adolescentes, como o Conselho Tutelar, por exemplo, que é um órgão público de instância municipal, realiza atendimentos gratuitos à população, orienta, e, se houver suspeita ou confirmação de violação de direitos, o Conselho Tutelar encaminha estes casos aos serviços públicos competentes, e se a família preferir pode buscar outros profissionais. A principal função do Conselho Tutelar é fiscalizar e assegurar o cumprimento de direitos proposto pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), inclusive pela família e tantas outras instituições sociais.

O atendimento do Conselho Tutelar ocorre em período integral, e não deve se limitar à proteção ou à vigilância, mas sim da promoção e defesa de todos os direitos, tal como propõe o ECA a cumprir pela: sobrevivência (vida, saúde e alimentação); desenvolvimento (educação, cultura, lazer e profissionalização); integralidade física psicológica e moral (respeito, dignidade, liberdade, convivência comunitária e familiar); coloca crianças e adolescentes a salvo de todas as formas de situação de risco pessoal e social (negligência, discriminação, exploração” ¹. Já órgãos como por exemplo o Ministério Público e Defensoria Pública atuam quando já existe a violação de direitos.

A fala da vítima pode ser a única prova possível de ser produzida para responsabilizar o agressor, e a criança tem o direito de ser ouvida. Por isso é importante que profissionais, sejam estes, médicos, pedagogos, psicólogos, assistentes sociais e outros tenham conhecimento e prática articulada com órgãos competentes para que os atendimentos tenham a extensão necessária a fim de proteger e tomar as medidas cabíveis conforme cada caso requisita.

____________________________________

¹ Refazendo laços de proteção : ações de prevenção ao abuso e à exploração sexual comercial de crianças e adolescentes : manual de orientação para educadores / [redação Yara Sayão]. — São Paulo : CENPEC : CHILDHOOD – Instituto WCF-Brasil, 2006.

Postagens relacionadas

Transtorno da Infância 1748523494682166801

Postar um comentário

  1. Interessante matéria, deveria ser mais divulgado junto a atendentes da área da saúde, professores etc...

    ResponderExcluir
  2. Obrigada. Sim, envolver os profissionais que atuam com crianças e adolescentes nesta discussão é fundamental. É de suma importância que educadores estejam atentos ao modo de expressão dos comportamentos de infantis e adolescentes na intenção de interrogar cuidadosamente tais possibilidades com seus pares e assim buscar intervir na proteção e interromper a todos os tipos de ciclo de violência contra crianças e adolescentes.

    ResponderExcluir
  3. Carla, parabens pela abordagem do tema, de suma importância

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. parabens gostei,, temos que proteger nossas crianças,,,por isso, temos que colocar a boca no trambone,, para que as autoridades competentes, façam a sua parte!

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Encontre-me no Facebook

Divulgue nossos textos

Últimos artigos

Psicóloga Carla Ribeiro. Imagens de tema por Jason Morrow. Tecnologia do Blogger.

+Lidos

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Endereço e contato

Consultório de Psicologia em Santos
Av.: Conselheiro Nébias, 444 - conj. 1709
Encruzilhada, Santos/SP
CEP 11045-000
Telefone: (13) 3301-9055

Total de visualizações

item