Depressão de fim de ano

O Natal e Festas comemorativas do fim do ano, época de entrar em contato com as lembranças íntimas e particularidades. Um repertório que para muitos pode significar o reaparecimento de tristezas profundas, tendo em vista o aumento nos índices de suicídio, e para outros pode significar caridade, amor, otimismo e paz.

Cabe aqui descrevermos e nos aprofundarmos sobre este sentimento que nos invade sem pedir licença, este espírito natalino como exemplo de bondade e abnegação, que amplia o amor ao próximo e faz aflorar em nós o sentimento de comunidade, em que muitas vezes desejamos fazer pelo outro aquilo que, talvez, não tenhamos feito durante todo o ano.


Eis que surge o presente, como símbolo desta mistura de amor e carinho representados em um artigo importante em nossa sociedade. Em uma relação recíproca de amor, generosidade e cuidado.

As festas comemorativas de fim de ano resgatam valores e desejos prósperos importantes de serem projetados em um ano seguinte, nos fazem entrar em contato com nossos sentimentos mais íntimos e assim, reavaliarmos o que consideramos importante ou inócuo.

Mas como perpetuar sentimentos tão positivos e mantê-los vivos no decorrer do ano? Não é exercício simples, haja vista que a rotina do dia a dia traz grande estresse em que somos estimulados a olhar, responder e atuar em um mundo repleto de exterioridades, e que não é comum em nossa sociedade, infelizmente, termos uma vivência mais interiorizada.

Assim, pode-se adotar atividades que proporcionem vivências com o seu interior, otimizando a oportunidade de reatar laços afetivos à família e amigos, em dar feedback às próprias necessidades e sentimentos. Buscar uma relação mais honesta consigo e não só em corresponder ao que os outros esperam de você.