Roubo patológico: cleptomania

Sair de uma loja e perceber que não pagou quando se chega em casa é ter, possivelmente, uma memória prejudicada ou muitas preocupações. Mas se beneficiar de objetos desnecessários e furtá-los, ou seja, pegar escondido algo que não seja para o uso pessoal ou ganho monetário pelo impulso de possuir pode ser cleptomania, o roubo patológico.  

Um ato solitário que causa a quem pratica um estranho prazer de tensão e satisfação. Este impulso de surrupiar objetos desnecessários, os quais serão descartados, guardados ou utilizados para presentear alguém tende a crescer e crescer...

Tudo aquilo que não tem uma explicação do por quê se faz é, em primeira instância, inconsciente. A medida que se aprende a identificar as causas que levam o sujeito a ter o comportamento de furtar é possível aprender e aprimorar o controlar diante de seus próprios impulsos. A final somos seres racionais. 

A motivação, o desejo e a expectativa em controlar os impulsos de furtar precisam ser maiores do que o medo, a vergonha e a culpa, sentimentos que atuam para que o sujeito não busque ajuda e perpetue o vício por furtar...  Assumir o problema a si mesmo é fundamental. 

Na psicoterapia a ética profissional e o sigilo são mantidos como sempre, assim, esta e outras revelações ficarão entre você e o profissional. Buscar o equilíbrio, a felicidade e o bem estar é promover a saúde, e isso, não tem preço.