Raiva

Quando uma angústia de dor e caos se instaura é comum a frustração e a raiva se destacarem, muitos de nós conseguem moderar esses instint...

Quando uma angústia de dor e caos se instaura é comum a frustração e a raiva se destacarem, muitos de nós conseguem moderar esses instintos furiosos e só raramente são  despertados por uma fúria interior.

A raiva nasce de duas fontes básicas. Uma é o medo (particularidades, fantasias e crenças) e outra é a frustração (não se sentir confortável consigo mesmo, não alcançar objetivos ou desejos, ver que as coisas não são cono queremos).

Quando uma pessoa sente raiva frequentemente, o comum é que existam crenças errôneas que a levam a interpretar a realidade de maneira assustadora ou frustrante.

Explosões ou crises de raiva são o resultado de medos e frustações acumulados. Começam a incubar quando não atendemos a pequenos desconfortos que pouco a pouco se tornam frequentes. Tudo começa com um leve incômodo consigo mesmo, com alguém em particular ou com o mundo em geral.

Com o tempo, a pessoa sente esse desconforto, mas não o expressa ou não  consegue administrá-lo. Normalmente busca uma fuga momentânea para aliviar-se de alguma forma e se distraí e alivia o incômodo e depois segue a vida. E sem perceber, a qualquer momento vem um novo gatilho que desencadeia uma soma de diferentes medos e frustações acumulados até que, com o tempo, dá-se origem a explosão de raiva.

Passada a tempestade, fica com a idéia de que passou, mas a forma explosiva muitas vezes se mantém. Assim que os primeiros sintomas da raiva aparecem, surgem críticas ácidas, sarcasmos ou pequenas expressões de rejeição. O que perdura os ciclos de comportamento de explosões de raiva são em grande parte às válvula de escape. Observe-se e tente identificar quais são as suas válvulas de escape. (álcool e outras drogas; comida; jogos de sorte e azar; compras compulssivas; tecnologia).

Uma pessoa com explosões frequentes de raiva sem razão, pode contudo torna-se violenta, se não conseguir contornar sozinho saí do controle e precisará recorrer à psicoterapia sem dúvida.

Algumas dicas para controlar crises de raiva:

1.Respire nos princípios da respiração  diafragmática;

2.Na sequência busque avaliar racionalmente os gatilhos que lhe "subiu o sangue" e lhe trouxa tamanho incômodo;

3. Ao falar, sim para evitar nova crise deve-se comunicar o incômodo, então controle o corpo com o tom da voz e gestos com os braços, mãos. Tome distância da pessoa e procure não cerrar o dente ao falar.


Caso haja fracasso em qualquer um dos itens acima não existe em procurar um psicólogo. Ajuda profissional para aprimorar a controlar as crises de raiva para não comprometer as relações de trabalho, familiares ou afetivas. A avaliação profissional pode até identificar se eata raiva evolyiu para o TEI (transtorno  explosivo intermitente) Não é uma questão de temperamento, mas um problema que vai além e requer atenção antes de alcançar consequências mais sérias como perder o emprego, o casamento, os amigos e colecionar brigas por aí.




Postagens relacionadas

Transt. de Habitos e Impulsos 4210290502454134092

Postar um comentário

emo-but-icon

Encontre-me no Facebook

Últimos artigos

Psicóloga Carla Ribeiro. Imagens de tema por Jason Morrow. Tecnologia do Blogger.

+Lidos

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Endereço e contato

Consultório de Psicologia em Santos
Av.: Conselheiro Nébias, 444 - conj. 1709
Encruzilhada, Santos/SP
CEP 11045-000
Telefone: (13) 3301-9055

Total de visualizações

item