Condição, humano.




A existência humana é um constante processo de “vir-a-ser”. Vivemos apaixonados, mas o que é a paixão? Se não a supressão temporária da razão, é entorpecimento.

Decisões apaixonadas não são necessariamente decisões sentidas. Fora da razão, perde-se a capacidade de perceber o todo que nos envolve. Um ser apaixonado está fora do controle dos sentimentos.

Sentir é perceber através dos sentidos, mas também da razão. É colocar o todo que se é a serviço da realidade que nos envolve. Já o sentimento é um conhecimento intuitivo que avança naturalmente sobre o que nos chega através do raciocínio.

Desde a concepção, na expulsão do ventre em movimentos de contração, somos puro mistério, o ser que nunca terminará de nascer. Viveremos em ciclos da rotina existencial, no movimento que nos colocará sob provocações de outras contrações, e por muitos movimentos de renascer seremos partejados por pessoas especiais que cruzam e cruzarão nosso caminho todos os dias.

Ninguém escapa ao que lhe é determinante. Crescer é processual, não há outra opção senão desbravar os roteiros de si em desafios e superações naturais da condição humana.

Na coleção da experiência, algumas memórias hão de gritar, lá no íntimo, como um fogo, um clamor da alma que nos guiará a sair em busca das próprias urgências.

É necessário estar consciente e atento às próprias urgências que nos são determinantes no agora, nos desafios diários, em formato de presente 🎁. 

As regras do tempo regem o ciclo de cada ser e dormimos sob o movimento de nova contração, então se ponha a renascer nos seus objetivos e propósitos. Bem vindo ao que é essencial. Vem se conhecer, vem pra psicoterapia você também.