Como lidar com a rejeição

A frustração e o modo como lidamos com a rejeição fala muito a nosso respeito. Uns choram, uns se culpam, outros insistem de modo incans...


A frustração e o modo como lidamos com a rejeição fala muito a nosso respeito. Uns choram, uns se culpam, outros insistem de modo incansável até se tornarem indesejáveis, alguns não se incomodam e partem para outra. O saudável é que haja um momento de tristeza, já que houve um investimento afetivo o qual foi rejeitado, mas que, em poucos momentos ou em alguns dias, seja superado. Sim este é o caminho saudável, mas e quando este sentimento de tristeza pela rejeição persiste e sufoca?

Rejeição – nas relações interpessoais é o processo pelo qual se considera uma pessoa destituída de valor, incompatível com determinada categoria ou inadmissível como objeto de sentimentos de afinidade ou de vinculação. A rejeição raramente é absoluta, ou como tal reconhecida, manifesta-se antes de maneira indireta: críticas excessivas à pessoa rejeitada, comparações tendenciosas, falta de atenção pela presença, ou palavras da outra pessoa ou outras demonstrações de hostilidade.

Trocando em miúdos... a rejeição já fez parte na vida de todos nós, sentida em diferentes momentos e fases, seja na demissão de uma ocupação profissional em que o sujeito sempre demonstrou empenho e dedicação, seja em um relacionamento afetivo não correspondido, uma amizade, um amor ou um vínculo profissional importante ou o tão sonhado concurso, dentre outros.

Normalmente procura-se um alguém para dividir este sentimento, mas as vezes a dor é tanta que parece que ninguém entende. Não se trata de uma postura de se vitimizar, mas sim uma fragilidade e limitação em lidar com seus próprios sentimentos, com as restrições, com o não, com situações que trazem à tona o sentimento de fracasso e de se culpabilizar pelo ocorrido.


Haverá momentos em que você sentirá uma verdadeira dor ao comprovar que alguém que era muito importante para você deixou de sentir o mesmo. Deixou de reconhecer-lhe, de precisar de você.

Curar esta dor por esta descoberta requer tempo mas, por sua vez, devemos nos lembrar sempre de que o maior amor de nossas vidas deve ser sempre o amor próprio. Se você mesmo não se ama e não se respeita, não será capaz de abrir a porta para outras oportunidades. 

Na imprevisibilidade da vida, daquilo que não é esperado, no susto do imprevisível somos sacudidos por um choque, que muitas vezes ninguém se prepara para vivê-lo, embora haja esta possibilidade, a rejeição sempre nos ensina a um processo de superação, seja ele dolorido ou não, demorado ou não. Mas se persistir à longo prazo e impedir com que sejam realizadas suas atividades diárias, não hesite em buscar ajuda profissional.

Postagens relacionadas

Relacionamento Familiar 601322177471577465

Postar um comentário

emo-but-icon

Encontre-me no Facebook

Divulgue nossos textos

Últimos artigos

Psicóloga Carla Ribeiro. Imagens de tema por Jason Morrow. Tecnologia do Blogger.

+Lidos

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Endereço e contato

Consultório de Psicologia em Santos
Av.: Conselheiro Nébias, 444 - conj. 1709
Encruzilhada, Santos/SP
CEP 11045-000
Telefone: (13) 3301-9055

Total de visualizações

item